Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
14 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 14 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Um cogumelo biológico chinês

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Um cogumelo biológico chinês

Mensagem por Admin em Qui Abr 06, 2017 5:36 pm

A agricultura biológica que a estratégia do Governo promove tem muito pouco de sustentável.

O Governo de Portugal lançou recentemente uma Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica. Como é próprio de um Estado socialista, temos uma vez mais o Governo a ditar o que devem os privados fazer e que estratégias devem seguir. Afinal, os empresários não sabem bem o que fazer com o seu dinheiro e o Estado sente a necessidade de os instruir.

Agora, num tema de pouca importância, a nossa alimentação — afinal nem todos comemos, não é? —, temos num documento estratégico do Estado a total confusão entre ciência, política e ideologia. Naturalmente a tão natural agricultura biológica viu-se uma vez mais alvo de tantos elogios públicos. E se eu resolver discordar? Devo dizer que esta não é nem tem de ser uma prática mais amiga do ambiente, quando comparada com uma agricultura de grande aplicação tecnológica.

Fatores como a vida do solo, a qualidade dos alimentos e o preço final dos bens (questão essencial no que respeita à alimentação das populações mais carenciadas) em nada beneficiam com uma agricultura orgânica. Naturalmente que, tendo esta um espaço crescente junto do consumidor — eu mesmo fui agricultor biológico —, deve ter o seu espaço na produção, mas para isso a União Europeia já a inunda de dinheiros públicos. Se o preço final dos produtos é, também ele, superior ao convencional, para quê meter ainda mais dinheiro nacional neste cesto?

Naturalmente, nada tenho contra uma agricultura moderna e biológica. Mas o que significam 70% de “área biológica” serem pastagens? Ou ainda 0,6% e 1,5% serem, respetivamente, de horticultura e fruticultura? Eu atiro uma pedra ao charco: a esmagadora maioria destes agricultores vê neste tipo de agricultura uma forma de receber mais um subsídio tão importante para a rentabilidade das suas explorações. Deve, pois, concluir-se que a verdadeira produção de alimentos biológicos ainda não acontece em Portugal.

Como é sabido, as importações aumentaram mais de 730% entre 2014 e 2016, com a maioria dos produtos a serem comprados à China. Quando o Governo se propõe colocar uma “percentagem de produtos biológicos no novo regime de frutas e leite nas escolas, prevendo-se igualmente fomentar a incorporação destes produtos nas ementas dos refeitórios públicos e incentivar a criação de ementas biológicas nos refeitórios”, pretende assim colocar um bonito cogumelo chinês no prato dos alunos portugueses? Não seria mais sustentável promover antes e só a agricultura nacional? Por exemplo, em escolas alentejanas, a carne consumida pelos alunos ser do Alentejo? Ou numa escola açoriana o leite provir de uma cooperativa dos Açores?

Imaginação não falta à equipa do Terreiro do Paço, mas a verdadeira forma de Portugal ter uma agricultura capaz de gerar riqueza é, antes de mais, mediante a incorporação de tecnologia. Se o Governo vai promover o “Dia Nacional da Agricultura Biológica”, para quando o “Dia da Agricultura de Conservação”, ou o “Dia da Agricultura de Precisão”? A agricultura biológica que este novo documento promove de sustentável tem ainda muito pouco. Os produtos viajam distâncias inimagináveis até chegarem a Portugal. Esta realidade pouco ou nada tem que ver com o espírito de uma agricultura verdadeiramente biológica. Primeiro teremos de incentivar o consumo nacional, e só depois olhar para estes nichos.

Como se verifica, esta estratégia nacional pouco tem de sustentável, mas apenas de ideológico. Capoulas Santos tem conhecimento de que, no sector agrícola, a esmagadora maioria das políticas públicas vem de Bruxelas. Assim, este tipo de documento serve para… o PAN ver. O modelo agrícola que hoje devemos incentivar é o da produção nacional sustentável, e não este da importação desmedida de produto estrangeiro com um símbolo de sustentabilidade completamente descabido. 

O autor escreve segundo as normas do novo Acordo Ortográfico

Engenheiro Agrónomo

LOPO DE CARVALHO
6 de Abril de 2017, 8:05
Público

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum