Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Tempo perdido

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Tempo perdido

Mensagem por Admin em Sex Abr 07, 2017 10:37 am

A fatura da inação e da lentidão dos tribunais portugueses, incapazes de proceder a uma investigação célere, é um fardo para todos os contribuintes.

O dia 6 de Abril de 2011 ficará para sempre como uma data histórica, marcada pelo pedido de intervenção histórica. Seis anos volvidos e o sistema financeiro continua com graves problemas por resolver. Assistimos neste período a uma destruição de valor dos pequenos investidores que, confiando no mercado de capitais e na elite de gestores, investiram as suas poupanças em acções e obrigações.

Esta destruição de riqueza deixou o país mais pobre, com medo, e não deixou alternativa senão a venda de património a estrangeiros. O negócio do Novo Banco é o culminar desta necessidade, decorrente do programa de ajuda externa não ter sido orientado para resolver os problemas da banca, mas sim para geri-los, até que a Zona Euro encontrasse uma solução para a dívida ou que o BCE interviesse nos mercados.

A Irlanda, por exemplo, optou por não esperar, sacrificou o défice de um ano e saneou o sistema financeiro. Conseguiu devolver a confiança aos investidores, o que permitiu o regresso a elevadas taxas de crescimento económico.

Portugal, por seu lado, tomou a decisão de empurrar com a barriga a recapitalização do seu sistema financeiro, talvez por ter chegado à conclusão que não haveria dinheiro suficiente que o salvasse. A prova reside no facto de não termos um ano desde 2011 que não fosse marcado por intervenções na banca. Mais uma vez, este ano não será excepção. Faltarão o Montepio e as Caixas Agrícolas?

Com a venda do Novo Banco, o custo da resolução do BES sobe para 18 mil milhões de euros, ou 10% do PIB. Este valor considera os prejuízos do BES, do Novo Banco, o capital investido pelo Fundo de Resolução e a necessidade de aumento de capital em 1,5 mil milhões de euros. Existe ainda a possibilidade do Fundo de Resolução ser responsabilizado por mais 3,8 mil milhões de euros. Tendo em conta que a CGD tem 25% das responsabilidades deste Fundo, é simples fazer as contas.

Somando as imparidades registadas pela banca nos últimos dez anos, a intervenção no BPN e as responsabilidades agora assumidas com esta venda, chegamos rapidamente a prejuízos superiores a 30% do PIB, que simplesmente desapareceram. Portugal empobreceu.

Foram muitos os negócios duvidosos divulgados pela comunicação social, mas poucos os que foram objecto de investigação atempada. A factura da inacção e da lentidão dos tribunais portugueses, incapazes de proceder a uma investigação célere, é um fardo para todos os contribuintes.

A interligação que existe entre os sectores público e privado, parece inibir a tomada de decisão por parte dos reguladores, dos políticos e da própria sociedade, a qual ao invés de se revoltar, resignou-se. Sendo o tempo o maior activo que temos, desperdiçá-lo é pois um crime.

O autor escreve segundo a antiga ortografia.

Pedro Lino, Economista
 00:11
Jornal Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum