Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

De Roma ao Seixal

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

De Roma ao Seixal

Mensagem por Admin em Sex Abr 07, 2017 11:00 am

Em Roma ficou evidente que o projeto europeu não pode prescindir de ninguém; que todos temos a ganhar com a paz, que se constrói com desenvolvimento convergente e equilíbrio regional.

No dia 27 de março os líderes europeus reuniram-se em Roma para celebrar os 60 anos do Tratado de Roma. Passou ao lado de muitos o conteúdo da Declaração de Roma, mas foi dado um passo importante, com um statement onde o Governo português, mas também outros governos do Sul da Europa, conseguiram inscrever programaticamente dois aspetos centrais: o retomar da ideia de competitividade convergente, que tanto tem sido defendida pelos responsáveis nacionais no Conselho, e a menção explícita à necessidade de completar a União Económica e Monetária. Mas mais interessante é a ligação direta da moeda única, entre outros elementos, ao crescimento, à coesão e à competitividade. 

É também assinalado: “Uma União onde as economias convergem.”

Em Roma ficou evidente que o projeto europeu não pode prescindir de ninguém; que todos temos a ganhar com a paz, que se constrói com desenvolvimento convergente, equilíbrio regional, e participação democrática. Que a partilha de soberania é, no essencial, o reafirmar da soberania. Que partilhar não é ceder. E que a Europa precisa de prosseguir um caminho de federalização progressiva de soluções em áreas tão distintas como a Defesa, a Segurança Interna, a Energia, entre outras. Essa federalização progressiva só é possível se no centro das opções políticas estiver o princípio da competitividade convergente, onde as políticas de coesão são fundamentais, mas onde o completar da União Económica e Monetária – e dentro desta da União Bancária – é o elemento chave.

Ninguém como o PS tem defendido esta agenda. Esta é uma agenda que distingue o PS da direita – o PSD e o CDS que têm uma visão restrita da participação de Portugal, dos Estados-membros em geral, no aprofundamento da União Europeia – e, evidentemente, também do Bloco de Esquerda e do PCP.

É aqui que, em grande medida, o caminho divergente entre o PS e os outros partidos que constituem a maioria parlamentar que suportam o Governo, se reflete de forma mais expressiva, e que teve no fim de semana da assinatura da Declaração de Roma uma especial enfase.

O Bloco de Esquerda e o PCP rejeitam o euro, não concordam com a partilha de soberania em área fundamentais, e divergem – e divergirão – sempre que o processo europeu avance na maior federalização de funções nucleares do Estado. Não só na Defesa e na Segurança Interna, mas também na Justiça (ou seja, nas áreas JAE). E é em si mesmo contraditório com a liberdade que defendemos: uma mobilidade de cidadãos e novas formas de acolhimento que só juntos, na Europa, podemos gerir de forma eficaz. Aliás, noutras áreas, como a União Bancária ou a gestão da dívida soberana, só a partilha permitirá reforçar uma verdadeira soberania. A autarcia irá bloquear o desenvolvimento de soluções de progresso político e social, com criação e partilha de riqueza.

O bloqueio do projeto europeu é um processo desconstrução típica de sociedades em falência. Mas essa falência resultará na insolvência sem resgate da Economia Social de Mercado que defendemos e nos deu paz durante 60 anos.

Quando em Roma falávamos de futuro – ainda que acossados por um presente cheio de dúvidas – no Seixal, e algures no país, os líderes do PCP e do Bloco de Esquerda marcaram a sua diferença e deram bem tom para o que segue: se o processo europeu se aprofundar a maioria social que em Portugal suporta o Governo dividir-se-á. Como aliás ficou, por exemplo, bem patente, na discussão do CETA. E voltará a ficar quando o CETA for sujeito a ratificação na Assembleia da República.

De Roma ao Seixal vai uma grande distância, mas o futuro de país decide-se nas novas maiorias que o projeto europeu vier a forçar com o seu andamento; até lá continuamos com a maioria de suporte que terá tanto mais futuro quanto menos andar a Europa.

Eurico Brilhante Dias
7:51
ECO - Economia Online

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum