Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Técnica do salame

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Técnica do salame

Mensagem por Admin em Sab Abr 08, 2017 11:02 am


Voltemos ao salame, e à forma de, através de ataques sucessivos, desfazer uma peça inteira. Suponhamos que se pretende fazer cair uma aliança, tida como sólida. Basta encontrar uma pequena fissura, o “elo mais fraco”, e escarafunchar por aí. Eliminado esse e enfraquecida a aliança, passa-se ao “elo fraco” seguinte. E assim sucessivamente, até ao desmembrar da aliança.


O texto abaixo transcrito é atribuído a Martin Niemöller, alemão opositor ao nazismo, que o terá escrito em 1933. Mais tarde, aparecem textos semelhantes, escritos por Bertold Brecht, Vladimir Maiakovsky e outros. Dizia o seguinte:

“Um dia vieram e levaram o meu vizinho judeu; como não era judeu, não me incomodei.

No dia seguinte, levaram o meu vizinho que era comunista; como não sou comunista, não me incomodei.

No terceiro dia levaram o meu amigo católico; como não sou católico, não me incomodei.

No quarto dia vieram e levaram-me.

Já não havia ninguém para reclamar”.

Considero dispensável fazer aqui uma pesquisa aprofundada sobre a paternidade desta ideia. O importante é o que o texto contém e a lição que encerra, que é profunda e intemporal.

O Homem é um animal político, disse-o Aristóteles, e ele próprio pode ter ido buscar essa ideia mais atrás. E dentro da Política, ou do conceito corrente que dela se tem, recorrer a táticas refinadas, a laboriosas estratégias ou mesmo a golpes baixos, é coisa que aceitamos, se não como uma fatalidade, pelo menos com resignação.

O modo de eliminar sucessivamente os inimigos, adversários ou rivais políticos (a classificação varia apenas em função do tempo) tem vindo a ser registado ao longo da História, e Nicolò Machiavelli (mais conhecido entre nós por Maquiavel) não descobriu nada nesse campo: apenas sistematizou e passou a escrito. Assim se obteve um manual precioso de como fazer política sem preconceitos morais. Com incidências no comportamento e na semântica: por exemplo, o conceito de virtù a que Maquiavel recorreu dificilmente pode ser traduzido por virtude, no conceito cristão e atual; baseava-se na determinação do governante em impor a sua vontade, contra oposições e adversidades.

Ao método de eliminação progressiva dos indesejáveis foi posto o saboroso nome de “técnica do salame”, porque a analogia é evidente: vão-se eliminando paulatinamente os tais inimigos, adversários ou rivais (ver o acima dito) um por um, para não dar nas vistas e não ter o aspeto de uma campanha sistemática. Sempre em nome de grandes princípios, como os da Ordem, da Pátria, da Raça, ou até da Lei, se o poder for absoluto. Ou do Povo, que tem as costas largas.

Sendo a acusação uma arma de arremesso, parece que o método seria infalível. Mas tem dois contras, qual deles com pior efeito, e ambos são referidos na sabedoria ancestral.

Um contra decorre do velho ditado “Palavra fora da boca é pedra fora da mão”. O projétil verbal, que em tempos idos podia ser contestado por falta de registo fiável, é hoje uma arma fatal: está registado, escrito, gravado, guardado em memória. Por isso se diz que é mais fácil escrever a História com base nas hemerotecas do que nas bibliotecas ou mesmo nas chancelarias. Embora haja muitos que preferem desvalorizar o que foi dito e escrito em jornais, escritos ou falados, por serem peças literárias de natureza efémera, e portanto para convenientemente esquecer. Pelo menos, é cómodo.

O outro contra decorre de uma ainda mais ancestral tecnologia, a do boomerang, inventado pelos australianos, que não conheciam sequer os metais, mas a quem não faltava criatividade. Pois essa elaborada (que não sofisticada) arma podia voltar ao ponto de partida, quiçá atingindo o desastrado lançador. E não é que os projéteis verbais têm uma malvada tendência de seguir o mesmo percurso?

Basta, pois estar atento às palavras de arremesso, desarmá-las ou reenvia-las ao lançador.

Voltemos ao salame, e à forma de, através de ataques sucessivos, desfazer uma peça inteira. Suponhamos que se pretende fazer cair uma aliança, tida como sólida. Basta encontrar uma pequena fissura, o “elo mais fraco”, e escarafunchar por aí. Eliminado esse e enfraquecida a aliança, passa-se ao “elo fraco” seguinte. E assim sucessivamente, até ao desmembrar da aliança.

Assim fizeram os alemães, na I Guerra Mundial, introduzindo na Rússia um tal Vladimir Ilich Ulianov, que ficou mais conhecido por Lenine. A revolução que ele desencadeou fez cessar a guerra numa das frentes; mas, passados vinte anos, a Alemanha foi derrotada pela União Soviética. A fatia de salame ganhara vida própria…

De modo menos espetacular, há outras formas de reduzir resistências usando o mesmo método. Por exemplo, Donald Trump já anunciou que não haverá fundos federais para os estados e cidades que não aplicarem as leis sobre imigração, por terem sido declaradas inconstitucionais pelas instâncias judiciais.

Nova inconstitucionalidade, dirão uns; tremendamente eficaz, dirão outros. E lá voltamos ao acima dito: a técnica do salame é mais eficaz num regime ditatorial – mesmo que não oficialmente reconhecido como tal.

Em jeito de conclusão: qualquer semelhança com o que se passou, e ainda se passa, do lado do de cá do Atlântico, não é pura coincidência: a técnica do salame é um fenómeno global, que exige de todos nós toda a atenção.

Senão, lá vamos ter à velha (atual) história: primeiro um desconhecido, depois um próximo, depois um amigo, até chegar à nossa vez… tarde demais para reagir.

Nuno Santa Clara
Barreiro
08.04.2017 - 09:08
Rostos

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum