Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
Galeria


Maio 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
20 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 20 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

O melhor país possível

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O melhor país possível

Mensagem por Admin em Sab Abr 08, 2017 11:08 am

Os portugueses e os europeus estão a habituar-se perigosamente a aceitar as coisas menos más da vida como se fossem coisas boas. O resultado não vai ser lá grande coisa.

Bashar al-Assad, um tipo que não hesita em lançar gás sarin sobre o seu próprio povo e que quer perpetuar-se no lugar de presidente de uma república cada vez menos certa, é o menos mau dos tipos que andam ali pela Síria – o que quer dizer que o melhor é que o Ocidente lhe dê algum apoio.

A União Europeia respira de alívio quando um partido de direita vence umas eleições deixando para trás os partidos de extrema-direita – como se o âmago de todos eles em questões fundamentais como a própria União, os refugiados, os imigrantes, não fosse basicamente idêntico.

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, aplaude as decisões do Governo em torno do Novo Banco, afirmando, na maior das calmas, que é a menos má.

Os anos de austeridade da troika destruíram milhares de postos de trabalho, alguns deles posteriormente substituídos por empregos mais precários, mais mal pagos, com menos regalias e uma perenidade reduzida– mas isso até nem é mau de todo, podia ser bem pior dado que o povo andou a viver acima das suas possibilidades durante um ror de anos.

Os europeus estão cada vez mais rodeados de coisas ‘o melhor possível’, ‘menos más’, ‘aceitáveis na medida do possível’. Não é o melhor dos mundos, mas, face às alternativas, não é nada mau. Ou, dito de outra forma: o mundo é mesmo mau, mas como podia ser pior, o melhor é estarmos agradecidos. Agradecidos e caladinhos, senão coisas bem piores podem sair-nos ao caminho.

Este estado de coisas não só é inaceitável, como pode levar a extremos que mais tarde não gostaremos de recordar. A sociedade europeia está a aprender a viver virada para dentro de si, sem lugar a mais nada – num esquema de vida em que a defesa das migalhas em vez da luta pelo pão todo passou a fazer sentido. E desta vez a culpa não é dos políticos – aliás, a culpa nunca foi dos políticos – é de cada um de nós, que prefere andar distraído. Essas distrações têm como um dos seus piores resultados a transformação de uma sociedade numa coisa deslaçada.

Uma das mais medonhas formas de avaliar o deslace de uma sociedade está no futebol –  na imbecilidade do seu fanatismo, na suprema felicidade das vitórias e na facilidade com que os espetadores se acham no direito de dar cabo das trombas aos árbitros. Menos mal: um nariz partido sempre é melhor que um traumatismo craniano.

António Freitas de Sousa
 11:05
Jornal Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum