Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
15 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 15 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

O melhor país possível

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O melhor país possível

Mensagem por Admin em Sab Abr 08, 2017 11:08 am

Os portugueses e os europeus estão a habituar-se perigosamente a aceitar as coisas menos más da vida como se fossem coisas boas. O resultado não vai ser lá grande coisa.

Bashar al-Assad, um tipo que não hesita em lançar gás sarin sobre o seu próprio povo e que quer perpetuar-se no lugar de presidente de uma república cada vez menos certa, é o menos mau dos tipos que andam ali pela Síria – o que quer dizer que o melhor é que o Ocidente lhe dê algum apoio.

A União Europeia respira de alívio quando um partido de direita vence umas eleições deixando para trás os partidos de extrema-direita – como se o âmago de todos eles em questões fundamentais como a própria União, os refugiados, os imigrantes, não fosse basicamente idêntico.

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, aplaude as decisões do Governo em torno do Novo Banco, afirmando, na maior das calmas, que é a menos má.

Os anos de austeridade da troika destruíram milhares de postos de trabalho, alguns deles posteriormente substituídos por empregos mais precários, mais mal pagos, com menos regalias e uma perenidade reduzida– mas isso até nem é mau de todo, podia ser bem pior dado que o povo andou a viver acima das suas possibilidades durante um ror de anos.

Os europeus estão cada vez mais rodeados de coisas ‘o melhor possível’, ‘menos más’, ‘aceitáveis na medida do possível’. Não é o melhor dos mundos, mas, face às alternativas, não é nada mau. Ou, dito de outra forma: o mundo é mesmo mau, mas como podia ser pior, o melhor é estarmos agradecidos. Agradecidos e caladinhos, senão coisas bem piores podem sair-nos ao caminho.

Este estado de coisas não só é inaceitável, como pode levar a extremos que mais tarde não gostaremos de recordar. A sociedade europeia está a aprender a viver virada para dentro de si, sem lugar a mais nada – num esquema de vida em que a defesa das migalhas em vez da luta pelo pão todo passou a fazer sentido. E desta vez a culpa não é dos políticos – aliás, a culpa nunca foi dos políticos – é de cada um de nós, que prefere andar distraído. Essas distrações têm como um dos seus piores resultados a transformação de uma sociedade numa coisa deslaçada.

Uma das mais medonhas formas de avaliar o deslace de uma sociedade está no futebol –  na imbecilidade do seu fanatismo, na suprema felicidade das vitórias e na facilidade com que os espetadores se acham no direito de dar cabo das trombas aos árbitros. Menos mal: um nariz partido sempre é melhor que um traumatismo craniano.

António Freitas de Sousa
 11:05
Jornal Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum