Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Julho 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031     

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
13 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 13 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

SIMULADOR: FAÇA DE “SUPER-MINISTRO(A) DAS FINANÇAS” E TENTE REDUZIR A DÍVIDA PÚBLICA ATÉ 2045

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

SIMULADOR: FAÇA DE “SUPER-MINISTRO(A) DAS FINANÇAS” E TENTE REDUZIR A DÍVIDA PÚBLICA ATÉ 2045

Mensagem por Admin em Sab Abr 08, 2017 5:25 pm



  1. Como vai evoluir a dívida pública na próxima década? 

  2. Quanto tem de crescer o PIB para que Portugal consiga ficar finalmente na ‘zona de segurança’ dos 60% exigidos pelas regras europeias? A partir de que taxa de juro é que a dívida pública entra numa trajectória de crescimento explosiva? 

  3. E será que é preciso eliminar o défice para acabar com a dívida?


Uma forma simples de responder a estas questões é através de um exercício de simulação. Esta ferramenta dá-lhe essa possibilidade. Imagine que é um “Super-Ministro(a) das Finanças” durante alguns minutos e que é capaz de determinar os principais factores que afectam a dívida pública.

O primeiro cenário, dado pela linha azul, mostra-lhe a evolução esperada da dívida pública nas próximas décadas, se o défice se mantiver ao nível de 2016 e se se confirmarem as previsões actuais para o crescimento e taxas de juro. O segundo cenário cabe-lhe a si determinar: reduzindo (ou aumentando) o défice e fixando a taxa de crescimento do PIB real e a taxa de juro cobrada ao estado, pode descobrir o impacto destes factores no longo prazo.

COMO UTILIZAR?

1. Escolha os valores para a taxa de crescimento do PIB e taxa de juro ao longo das próximas décadas. Um crescimento mais alto permite diluir a dívida num PIB maior. A subida da taxa de juro, por outro lado, contraria (e pode até anular) este efeito. Os valores pré-definidos estão fixados em torno das previsões feitas pelo Conselho das Finanças Públicas e pelo Orçamento do Estado de 2017.

2. Conduza a política orçamental. A barra ‘consolidação orçamental’ permite-lhe reduzir o défice público, até um valor máximo de 5% do PIB em 2017. Se quiser testar os efeitos de um aumento do défice basta seleccionar um valor negativo. Obviamente, quanto mais alto for o défice mais rápido crescerá a dívida.

3. Inclua as pressões demográficas. O envelhecimento da população gera grandes pressões sobre as contas públicas. Se desejar incluí-las, coloque “sim” no botão correspondente.

4. Escolha os efeitos da consolidação na economia. Se quiser, pode permitir que a consolidação orçamental tenha impacto no crescimento da economia. Ao escolher um valor positivo para o botão ‘multiplicador’, os seus planos orçamentais vão influenciar o PIB, gerando efeitos de feedback que tornam a análise mais complexa, mas também mais desafiante.

Fórmulas e hipóteses

A evolução da dívida pública é determinada pela conhecida equação

ΔDPt = DPt-1 * (i - g) - SPt, em que:
ΔDPt corresponde à variação da dívida pública no ano em curso
DPt-1 corresponde ao valor da dívida pública no ano anterior
i corresponde à taxa de juro total sobre o stock completo de dívida
g corresponde à taxa de crescimento do PIB nominal
SP representa o saldo primário das contas públicas.
A taxa de juro está fixada 3,3% em 2017, com os valores subsequentes a serem escolhidos pelo utilizador. O valor pré-definido de 2018 em diante é 3,5%, em linha com os números do Orçamento do Estado para 2017.

A taxa de crescimento real do PIB é de 1,3% em 2017, conforme previsto pelo Conselho das Finanças Públicas (CFP). Os valores seguintes são escolhidos pelo utilizador, correspondendo a pré-definição aos 1,4% que também constam das previsões do CFP. A taxa de inflação, necessária para converter o crescimento real em nominal, é de 1,1% em 2017 e converge lentamente ao longo dos cinco anos seguintes para 2%, também em linha com as expectativas do CFP.

O Saldo Primário é fixado inicialmente em 1,8% do PIB, o valor esperado pela Comissão Europeia para 2016, líquido de medidas one-off e outros factores temporários. Este Saldo Primário pode ser afectado pela consolidação orçamental escolhida pelo utilizador e pelos custos de envelhecimento. Estes custos dizem respeito à despesa acrescida com pensões e cuidados hospitalares, tal como previsto pela Comissão Europeia no Ageing Report 2015.

A escolha de um multiplicador superior a zero faz com que a consolidação orçamental afecte negativamente o crescimento do PIB. Este efeito é revertido ao longo dos sete anos seguintes, o que significa que a travagem sentida no ano da consolidação é compensada por uma aceleração da taxa de crescimento nos anos seguintes.

Sitio do site da "Fronteiras XXI de Por Data e RTP" - "https://fronteirasxxi.pt/simuladordivida/"

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum