Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
19 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 19 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Sindicatos, a quarta roda da geringonça

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Sindicatos, a quarta roda da geringonça

Mensagem por Admin em Sab Abr 08, 2017 5:35 pm


A tranquilidade e alegria que se vê no facies de António Costa não são apenas consequências dos bons resultados obtidos para satisfazer a Europa - o défice 2,1%, que agora parece que afinal ainda é menor, serviu ao PS para uma ação de propaganda disparatada, com o aproveitamento do feito para um cartaz distribuído pelas ruas a louvaminhar “o défice mais baixo em democracia”. 

É um bocado ridículo ver um partido que não só se diz de esquerda como na fase atual se proclama como tendo atingido o seu momento mais à esquerda da história, a fazer propaganda com um défice absurdo exigido pela Europa. Mas já sabemos que o PS é um lugar onde tudo cabe e em termos de cartazes tontos costuma cumprir a sua muito razoável quota de mercado. Costa está contente com o défice, claro. Mas para pôr um primeiro-ministro tão irritantemente otimista os números do défice seriam profundamente insuficientes. 

A descontração de Costa está longe de poder ser associada ao défice. O que na realidade permite uma boa qualidade de vida a um primeiro-ministro não são tanto os resultados económicos - embora esses sejam fundamentais. O que torna a vida profundamente negra a um chefe do governo é uma oposição capaz - que neste momento não existe, por razões que já foram escalpelizadas até ao tutano - e um movimento sindical em confronto com o Governo. O poder, em última análise, está sempre na rua - não está apenas no boletim de voto de quatro em quatro anos. Todos os agentes políticos têm profunda consciência de que assim é. A “rua” não é um poder constitucional, mas é um poder fáctico. 

Mais do que a oposição, foi sempre a rua a provocar maus fígados aos primeiros-ministros. A grande conquista de Costa nestes 500 dias de Governo foi ter a CGTP como a quarta roda da geringonça. Tão importante como a viabilização do Governo pelo PCP e Bloco de Esquerda, foi a paz social garantida pela CGTP.  A própria CGTP sempre se assumiu como fazendo parte da solução de Governo (basta ler os seus documentos internos a apresentar a geringonça como sendo também da sua responsabilidade). 

Resta saber até onde os sindicatos vão esticar a corda. A tranquilidade de Costa depende disso.

Ana Sá Lopes
ana.lopes@sol.pt
8 de abril 2017
SOL

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum