Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Julho 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031     

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
13 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 13 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Sindicatos, a quarta roda da geringonça

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Sindicatos, a quarta roda da geringonça

Mensagem por Admin em Sab Abr 08, 2017 5:35 pm


A tranquilidade e alegria que se vê no facies de António Costa não são apenas consequências dos bons resultados obtidos para satisfazer a Europa - o défice 2,1%, que agora parece que afinal ainda é menor, serviu ao PS para uma ação de propaganda disparatada, com o aproveitamento do feito para um cartaz distribuído pelas ruas a louvaminhar “o défice mais baixo em democracia”. 

É um bocado ridículo ver um partido que não só se diz de esquerda como na fase atual se proclama como tendo atingido o seu momento mais à esquerda da história, a fazer propaganda com um défice absurdo exigido pela Europa. Mas já sabemos que o PS é um lugar onde tudo cabe e em termos de cartazes tontos costuma cumprir a sua muito razoável quota de mercado. Costa está contente com o défice, claro. Mas para pôr um primeiro-ministro tão irritantemente otimista os números do défice seriam profundamente insuficientes. 

A descontração de Costa está longe de poder ser associada ao défice. O que na realidade permite uma boa qualidade de vida a um primeiro-ministro não são tanto os resultados económicos - embora esses sejam fundamentais. O que torna a vida profundamente negra a um chefe do governo é uma oposição capaz - que neste momento não existe, por razões que já foram escalpelizadas até ao tutano - e um movimento sindical em confronto com o Governo. O poder, em última análise, está sempre na rua - não está apenas no boletim de voto de quatro em quatro anos. Todos os agentes políticos têm profunda consciência de que assim é. A “rua” não é um poder constitucional, mas é um poder fáctico. 

Mais do que a oposição, foi sempre a rua a provocar maus fígados aos primeiros-ministros. A grande conquista de Costa nestes 500 dias de Governo foi ter a CGTP como a quarta roda da geringonça. Tão importante como a viabilização do Governo pelo PCP e Bloco de Esquerda, foi a paz social garantida pela CGTP.  A própria CGTP sempre se assumiu como fazendo parte da solução de Governo (basta ler os seus documentos internos a apresentar a geringonça como sendo também da sua responsabilidade). 

Resta saber até onde os sindicatos vão esticar a corda. A tranquilidade de Costa depende disso.

Ana Sá Lopes
ana.lopes@sol.pt
8 de abril 2017
SOL

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum