Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
19 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 19 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A boa PPP

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A boa PPP

Mensagem por Admin em Dom Abr 09, 2017 10:56 am

O Estado, demasiadas vezes, negociou mal estas parcerias e nem sempre acautelou o interesse público.

Sobre o termo Parceria Público Privada (PPP) recai um peso pejorativo considerável. O Estado, demasiadas vezes, negociou mal estas parcerias e nem sempre acautelou o interesse público. Contudo, a fórmula não parecia má e partia de princípios há muito aplicados nas economias mais avançadas. Não tendo recursos suficientes, o Estado partilhou o investimento com os privados assegurando-lhes a exploração dos equipamentos que construíam, como autoestradas ou hospitais. O problema é que, na maioria dos casos, o risco nunca foi passado aos privados e o Estado assumiu sempre os prejuízos, quando a rentabilidade de uma autoestrada ou hospital não era a esperada.

Além do mais, e em muitos casos, as equações económicas inscritas nos cadernos de encargos eram excessivamente otimistas, o que fez com que o Estado, sistematicamente, se tornasse num enorme pagador. E foram estes maus negócios para os contribuintes, leoninos para os privados, que trouxeram má fama às PPP’s. Não porque houvesse qualquer problema no princípio da partilha de investimentos e lucros, mas porque nunca o risco foi efetivamente partilhado, ficando quase sempre do lado do Estado. Esta semana, a Câmara do Porto fechou, a propósito da construção de um bairro social, uma espécie de PPP. Com uma diferença para as que conhecíamos e que atrás descrevi. É que, neste caso, a autarquia não assume qualquer risco, ficando este totalmente do lado do parceiro privado. Assim se construirá a partir de maio, num terreno onde o meu executivo herdou habitação terceiro-mundista, o melhor bairro social de Portugal.

Num edifício de classe energética A+, implantado no mesmo terreno e com vista para o Douro, viverão as mesmas 52 famílias que lá habitavam e mais 18. E, ao lado, no que restar do mesmo terreno, e só depois de entregar as novas casas sociais, poderá o privado construir o seu empreendimento e vendê-lo. Se trabalhar bem e o mercado o ajudar, terá o legítimo lucro. 

A Câmara do Porto não gastará um cêntimo na operação. Os inquilinos municipais, esses, não serão desterrados para um bairro na periferia, como chegou a estar previsto no passado, e passarão a dispor de uma habitação digna, confortável e que lhes elevará, e muito, a qualidade de vida. Graças a uma PPP, onde se partilha um ativo e se respeita o que é público e as pessoas.

Ler mais: http://www.cmjornal.pt/opiniao/colunistas/rui-moreira/detalhe/a-boa-ppp?ref=opiniao_outras

Por Rui Moreira|00:30
Presidente da Câmara Municipal de Porto 
Correio da Manhã

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum