Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Setembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
13 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 13 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Clusters consolidados criaram macro regiões de exportação

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Clusters consolidados criaram macro regiões de exportação

Mensagem por Admin em Dom Abr 09, 2017 12:21 pm

José Ségio 

Regiões do «Norte e Centro Litoral» e «Arco Metropolitano de Lisboa e Sul» representam quase 90% das exportações de Portugal. 

A atividade empresarial em Portugal responsável pela integração organizada da economia portuguesa na globalização divide-se em duas macro regiões: «Norte e centro Litoral» e «Arco Metropoliano de Lisboa e Sul».

Estes duas macro regiões destacam-se pelo valor de exportações, de atratividade turística, de capacidade de atração de investimentos externos. São o reflexo da integração internacional da base económica do país. Em 2014 as duas macro regiões representavam 89,9% das exportações do país (cerca de 45% cada uma) e entre 2007 e 2014 estas aumentaram, sobretudo na macro região de Lisboa (42%). Os dois espaços são distintos no que respeita às atividades motoras e às formas da internacionalização, mas com algumas atividades partilhadas.

No «Norte e centro Litoral» destaca-se o megacluster agroalimentar e da embalagem. Depois os «clusters industriais exportadores do têxtil/vestuário, calçado, madeira e mobiliário, cortiça, cerâmicas, componentes  metálicas para habitat» que «constituem uma herança que há décadas distingue» esta macro região.  

Ao longo do tempo houve ainda «sucessivas decisões de investimento que levaram à existência na macro região do segundo nível de polos de siderurgia, refinação de petróleo e petroquímica, química industrial e fabrico de pasta e papel». 

Já o «Arco Metropolitano de Lisboa e Sul» integra a maior concentração de atividades de serviços do país, tradicionalmente ligada às funções de capital. 

No entanto, em tempos recentes deram-se três transformações. O crescimento das exportações de serviços prestados às empresas à distância, «com destaque para múltiplos investimentos de empresas multinacionais»; a afirmação da cidade e da macro região como «um motor do crescimento de vários segmentos do setor do turismo» e como um «pólo de conhecimento e inovação na Europa».

As atividades desta macro região vão desde a «agricultura competitiva e agroindústrias às indústrias florestais» aliadas a «atividades ligadas ao mar». 

O megacluster português da Construção, Obras Públicas & Engenharia está neste arco e a tradição industrial da região  tem sido transformada desde os anos 90 com os «encerramentos de grandes unidades industriais em setores pesados» e instalação de elementos de um novo cluster: o automóvel, em Palmela. 

Mantêm-se os pólos pasta/papel de Setúbal, de refinação de petróleo e petroquímica de Sines e de construção e reparação Naval da Península de Setúbal.

Desenvolvimento 

Os ecossistemas de inovação têm sido responsáveis pelo desenvolvimento destas macro regiões e pela «dinâmica de inovação nos clusters consolidados». No «Norte e Centro Litoral»  destaca-se o «cluster do Calçado/Couro» e o megacluster de «componentes para Automóvel e Estruturas Metálicas  & Equipamentos». 

Além disso são relevantes os centros tecnológicos setoriais dos têxteis e vestuário, dos moldes e plásticos e da cerâmica & vidro. 

Para a macro região de Lisboa e sul foram colocados no centro «as Universidades com a sua oferta formativa» e que estas e as «Autarquias, por sua vez, têm criado Incubadoras e Parques Tecnológicos onde são apoiados spin offs e start ups que contribuem para o empreendedorismo da região». 

Também as «empresas multinacionais e as grandes empresas dos setores infraestruturais» contribuem para a inovação «localizando no Arco Metropolitano de Lisboa novas atividades, ou novas funções, com orientação exportadora».

O exemplo apresentado para os setores infraestruturais é a Galp, cuja subsidiária Petrogal é a maior empresa exportadora portuguesa. O portfolio de exploração e produção da Galp tem  mais de 60 projetos, em dez países, em diferentes fases de exploração, desenvolvimento e produção. 

Os de maior relevância, e nível de petróleo, estão na bacia de Santos do Brasil e no offshore de Angola. Félix Ribeiro aponta que o melhor sítio para planear a «exploração de um jazigo no Brasil é Lisboa».

Magalhães Afonso 
jorge.afonso@sol.pt
 9 de abril 2017
SOL

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum