Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
13 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 13 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Competências para a internacionalização

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Competências para a internacionalização

Mensagem por Admin em Seg Abr 10, 2017 10:37 am

O ADN do profissional português, aplicado em contextos multinacionais, é uma mais-valia, pois temos uma capacidade de adaptação fantástica.

Apesar da ressaca pós-Trump e pós-Brexit, não existem grandes dúvidas que a globalização, com a crescente mobilidade de capital intelectual, tecnológico e financeiro e o incremento do comércio internacional, é uma tendência imparável. Por mais muros que se possam construir, teremos cada vez menos barreiras e seremos mais interdependentes.

O que tem feito Portugal neste contexto? Fruto da sua situação particular dos últimos 6 anos, Portugal teve o imperativo de olhar e ir para fora e fê-lo de duas formas: através da emigração de parte do nosso talento profissional e através do incremento das exportações de bens e serviços. Através de muitas das suas empresas, assumiu uma postura mais competitiva nos sectores de bens transaccionáveis, exportou, criou e consolidou parcerias lá fora, começou a estar presente nos mais importantes canais de distribuição e criou bases exteriores estáveis (que marcam a diferença entre quem apenas “exporta” e quem se “internacionaliza”). Casos de sucesso como a Compal, a Renova, a Sovena, a Outsystems, a WEDO, a Sacoor, a Delta, a TIMWE ou a Fly London estão aí para o demonstrar.

Como fazer e multiplicar? Primeiro é necessário, como em qualquer agenda empresarial, Visão (saber onde queremos chegar), Estratégia (o caminho a trilhar) e Liderança (mobilizar pessoas e fazer as coisas acontecer). Depois, há que desenvolver uma análise estratégica (stakeholders locais, processos, legislação, oportunidades, idiossincrasias e variáveis culturais nacionais e regionais) acerca do meio em que nos pretendemos inserir. Tudo isto implica a adaptação a culturas e mercados diferentes, sabendo que existe tempo de semear e tempo de colher. Depois, pela minha experiência, o capital humano é um factor crítico de sucesso. Em concreto, considero mandatório o desenvolvimento de três competências-chave nas empresas que se queiram internacionalizar e adquirir uma essência verdadeiramente global:


  • Orientação à mudança e inovação – capacidade de, com proactividade, equacionar novos modelos de negócio, novos processos de trabalho, novos canais de distribuição; ser empreendedor, percepcionando oportunidades e estabelecendo um grau de aceitação do risco, baseado numa boa análise da realidade.
  • Resiliência – a capacidade de resistirmos à pressão e ao choque inicial, ao (provável) desconforto físico e emocional; há que preparar as pessoas em vias de expatriação ou missões internacionais mais prolongadas para este percurso, o qual nunca é fácil.
  • Gestão Intercultural – capacidade de conhecer, interpretar e agir sobre diferentes realidades culturais e nacionais; de forma simples, compreender atitudes e comportamentos inerentes aos contextos sociais, históricos ou geográficos; perceber as influências culturais em variáveis comportamentais como autonomia vs. centralização ou formalismo vs. informalidade; ou como algumas culturas valorizam o indivíduo, outras o colectivo; ou como se enquadra o tempo e como temos culturas mais “imediatistas” e outras orientadas para o longo prazo.


Aqui, e digo-o com convicção, o ADN do profissional português, aplicado em contextos multinacionais, é uma mais-valia. Temos uma capacidade de adaptação fantástica, somos muito orientados à inovação e à adoção de tecnologias, somos muito orientados à aprendizagem linguística. Somos imbatíveis no improviso, em trabalhar de forma flexível e polivalente, na gestão de crises. Precisamos de mais e melhores empresas verdadeiramente globais – baseadas na mobilidade do capital humano e na adopção de um modelo de organização adaptável, verdadeiramente transnacional.

O autor escreve segundo a antiga ortografia.

Carlos Sezões, Coordenador da Plataforma Portugal Agora
 00:06
Jornal Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum