Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
15 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 15 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Na Justiça não se toca

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Na Justiça não se toca

Mensagem por Admin em Seg Abr 10, 2017 10:44 am

Os dados do estudo são esmagadores num assunto que caminha sobre cacos de vidro. Em 137 inquirições a crianças vítimas de abuso, a grande maioria das perguntas feitas pelos juízes que conduziam a audição foi considerada dirigida, direcionada ou de escolha forçada. São, no fundo, o tipo de perguntas que podem inquinar o testemunho das crianças, retirar-lhe credibilidade ou conduzir a resultados pouco fiáveis. Só 3% das questões nos 137 casos analisados entre 2009 e 2014 eram perguntas abertas, justamente as consideradas mais ajustadas a estas situações pelos psicólogos forenses.

O DN dá-lhe hoje conta de uma experiência. Na comarca do Porto já são os psicólogos forenses que dirigem estas inquirições a crianças, com a presença de advogado, procurador e juiz numa sala ao lado, separada por um vidro espelhado. A experiência tem tido bons resultados num histórico já com 70 casos nos últimos dois anos. Reação da corporação? De uma juíza ouvida pelo DN? Que não pode ser, que é ilegal, que vai ser preciso alterar o Código do Processo Penal e que é inaceitável que os juízes percam essa competência. Não para de espantar a resistência à mudança de algumas corporações. Neste caso nem sequer estamos a falar de uma decisão política sem sustentação técnica ou científica - são frequentes -, mas de um ligeiro acerto no sistema, baseado numa investigação e em conclusões de um estudo científico. Que do lado dos juízes não haja, aparentemente, preocupação com a qualidade dos testemunhos recolhidos em processos que envolvem crianças vítimas de abuso, mas antes a proverbial defesa de classe, é algo que nos devia preocupar.

Este caso fez-me lembrar um almoço com um magistrado, há uns anos. Depois de passarmos algumas horas a falar de um ou outro caso mais mediático com figuras da política e da alta finança, disse-lhe que, das duas uma, ou desses casos saía uma acusação firme, com provas sólidas, e aí teria de haver uma profunda reflexão sobre que políticos temos andado a eleger e que podemos melhorar na regulação bancária - aqui o meu companheiro de almoço concordou comigo sem reservas -; ou, se não se chegasse à fase de acusação ou se as acusações não passassem de crimes menores, então aí teríamos de fazer uma reflexão séria, enquanto comunidade, sobre o estado da Justiça e o que mudar no sistema. A resposta, aqui, foi bem diferente: "Na Justiça está tudo bem, não há nada para mudar."

10 DE ABRIL DE 2017
00:01
Paulo Tavares
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum