Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

E o lobby da cidadania activa, forma-se ou não?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

E o lobby da cidadania activa, forma-se ou não?

Mensagem por Admin em Seg Abr 10, 2017 10:49 am

Desde há algum tempo a esta parte que ouvimos amiúde a palavra “lobby”. De origem inglesa, teve no ínício do seu uso, começado por encerrar uma conotação negativa, já que se referia a “grupos de pressão” que se organizavam e organizam em torno de um objectivo comum, tentando interferir nas decisões do poder executivo e legislativo. Com o passar do tempo (... o tempo, essa dimensão que quer se crer que tudo resolve, mas talvez não...), a utilização da palavra lobby começou a estar também vinculada a um bom uso, como seja o lobby para a garantia dos direitos civis e políticos dos vários grupos sociais, ou para a defesa de causas, como seja a causa animal, a causa ambientalista, a causa para uma alimentação biológica, etc. Não há assim, que continuar a associar a palavra a corrupção, ilegalidade ou ausência de ética, já que o “lobbysmo” também pode ser a via para a concretização de uma boa causa. Podemos então, com alguma tolerãncia, aceitar que no dominio linguístico, se trata de um “anglicismo epíceno”. Já quando transpomos a dimensão e a possibilidade/necessidade de formação de um lobby para a cidadania activa, embora nos dias de hoje, com particular destaque nos grandes centros urbanos, seja já possível sentir, aqui e ali, o exercício de uma cidadania activa, de um lobby da cidadania, o mesmo tarda em chegar ao nosso país e à nossa região, assistindo-se mesmo, ao invés, a uma certa apatia e afastamento do cidadão em relação a várias matérias de grande importãncia e do seu exclusivo interesse, que em Democracia deveriam obrigatóriamente ser alvo da sua atenção e consequente intervenção. Não existe uma verdadeira Democracia onde não existe o exercício da cidadania activa. E não existe cidadania activa onde a solidariedade activa esteja distante. A solidaridade a que me refiro é uma solidariedade esclarecida e não aquela que é sustentada por piedade, pois esta torna-se desnecessária se a cidadania activa existir. E não podemos responsabilizar apenas os agentes politícos por este cenário. Os cidadãos e cidadãs também têm enormes responsabilidades, porque normalmente só se interessam pelos assuntos quando estes lhes dizem directamente respeito, afastando-se assim do exercício da solidariedade activa, e por via desse comportamento não conquistam a indispensável cidadania activa, vivendo numa Democracia de papel.

FERNANDO RODRIGUES / 10 ABR 2017 / 02:00 H.
Diário de Notícias da Madeira

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum