Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Agosto 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
20 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 20 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Como é que se muda o Estado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Como é que se muda o Estado

Mensagem por Admin em Seg Abr 10, 2017 10:56 am

A reforma do Estado saiu do debate público nos últimos tempos. Mas o que é uma reforma do Estado? Temos de centrar o Estado de novo nas funções de soberania e nas funções de regulação e supervisão.

A questão da reforma do Estado e dos serviços públicos, e da necessária redução da despesa corrente primária, tem estado afastada do debate público nos últimos tempos. Talvez por algum cansaço, dado que durante muito tempo falou-se demasiado e fez-se pouco. Creio que aquilo que disse a semana passada, numa entrevista ao Jornal de Negócios, talvez contenha parte do problema: “a direita não é capaz de fazer a reforma do Estado, a esquerda não o quer fazer”. Mas em que consiste, de facto, em linhas gerais, uma reforma do Estado?

O que deve ser discutido é o modelo de sociedade que pretendemos. Não é possível conciliar o atual Estado com saldos orçamentais positivos e com a participação na zona Euro. Pelo que temos três hipóteses: mudar de modelo, abandonar o Euro ou continuar em “morte lenta” à espera de um milagre. Apesar de Católico, não creio que tenhamos um milagre à nossa espera. Por outro lado, a saída do Euro é um desastre económico, social e político. É regredir 30 anos. É matar a minha geração, a anterior, e as seguintes.

Desta forma, temos de centrar o Estado de novo nas funções de soberania e nas funções de regulação e supervisão. É aqui que tem de começar o processo de mudança. Um Estado de excelência nestas áreas, com instituições fortes, mas controladas por um sistema judicial isento, transparente e célere. Adicionalmente, compete ao Estado a função de redistribuição. Esse é o pilar fundamental: garantir que nenhum Português deixa de ter acesso aos serviços públicos por insuficiência económica.

Tudo o resto, serviços sociais (Educação e Saúde), ou o investimento público podem ser realizados pelo público ou pelo privado. Para o utente é irrelevante quem o faz. O que interessa é a qualidade e o custo do serviço.

Esta mudança e reforma deve servir para proteger e melhorar o nosso Estado Social. É condição inequívoca que nenhum Português, por motivos de ordem económica, pode deixar de ter acesso aos cuidados de saúde, à educação e a uma existência digna. Adicionalmente, temos de manter os instrumentos de correção das desigualdades sociais. E aí, o SNS é porventura o instrumento mais eficaz na redução das assimetrias sociais. Mas também as prestações sociais não contributivas, tipo RSI, são extremamente eficientes. Ou seja, a reforma do Estado não consiste necessariamente, numa primeira fase, em gastar menos, mas passa sobretudo por gastar melhor.

Mas o processo de redução da despesa pública é também ele bastante relevante, embora deva ser visto numa perspetiva de médio e longo prazo. As experiências internacionais de consolidação orçamental nos últimos 30 anos mostram que se a receita (sobretudo fiscal) é importante num primeiro momento (pela maior rapidez na sua execução), é a despesa (sobretudo a corrente primária), que tem um papel determinante no sucesso a médio prazo. Não há consolidação orçamental sustentável se, no final, o grande esforço, ao invés de ter sido feito por via da despesa, tiver sido realizado pelo lado da receita. Contudo, as experiências internacionais apontam para uma solução mista: aumento de impostos e redução de despesa. Dificilmente poderia ser de outra maneira, dado o tempo de resposta de cada medida.

A organização e gestão do setor público consiste num enquadramento que permite finanças públicas equilibradas e sustentáveis e uma utilização mais racional dos recursos públicos. A organização do setor público não depende da sua dimensão e atuação. As decisões políticas sobre os bens e serviços aos quais o Estado garante acesso, ou sobre quais as falhas de mercado a regular estão numa esfera diferente das decisões relativas ao modelo de governo das entidades encarregadas do fornecimento desses bens e serviços ou das tarefas de regulação.

Contudo, no processo de redução do Estado, e consequente redução de custos, há um aspeto que muito raramente é abordado. Como se realiza este processo?

Creio que existem aspetos que têm de ser profundamente pensados e acautelados.


  1. Em primeiro lugar, as instituições públicas que prestam serviços devem ter as mesmas condições de competição das congéneres privadas. O que implica separar a função de redistribuição da função de prestação de serviços.
  2. Em segundo lugar, importa aferir de forma rigorosa o custo atual dos serviços públicos. Sem essa avaliação não será possível negociar eficazmente com o privado. Veja-se o péssimo exemplo de muitas PPP.
  3. Em terceiro, importa reforçar a capacidade de análise e negociação por parte do sector público. Parece-me que esta capacidade se encontra fortemente reduzida.
  4. Por último, este processo não termina no momento da concessão ao privado. O Estado vai assinar contratos que terão impacto por muitos anos e que têm de ser monitorizados. Senão, corremos o risco do volume e qualidade do serviço cair ao fim de algum tempo. Ou ainda pior, o que agora sai mais barato, vem a mostrar-se mais caro no futuro. Mais uma vez o exemplo das PPP.


Se estes aspetos não forem acautelados, corremos o risco de assistir a uma “canibalização” do sector público. Com uma fatura pesada a ser paga passados alguns anos. Convinha não multiplicar os erros do passado por 10. Assim, é necessário gastar menos e gastar melhor. Isso passa por uma reforma que vise por um lado, as funções do Estado, e por outro a organização e a gestão financeira da Administração Penal.

É necessário reinventar a estrutura organizativa da Administração Penal, passar de uma estrutura em pirâmide para uma estrutura em rede. Apostar nos Recursos Humanos e no potencial das novas tecnologias de informação. Com uma profunda mudança da organização e da estrutura da Administração Pública, com o aumento do nível de competências dos Recursos Humanos, com a reengenharia de processos e procedimentos e a redefinição de normas legais em vigor.

Por último, isto só se faz com um largo consenso político e social.

Joaquim Miranda Sarmento
8:15
ECO - Economia Online

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum