Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
17 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 17 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Pacto de regime para o investimento

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Pacto de regime para o investimento

Mensagem por Admin em Qua Abr 12, 2017 8:25 am

A nossa Democracia tem vindo a esquecer o investimento. Marcelo deve chamar os partidos e propor-lhes que formulem um pacto de regime nesta matéria.

Entre o início da década de 50 e o princípio da década de 70 do século passado, o investimento na economia portuguesa – medido pela Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) – cresceu em média ao mais elevado ritmo; acima de 8% ao ano. Já entre o ano de 1975 e o ano de 2000, em média a mesma variável também cresceu, embora de uma forma mais moderada; concretamente a 3,4% ao ano.

Porém, é este século que tem sido sinónimo de um comportamento verdadeiramente desastroso por parte da FBCF: até agora contraiu em média 2,8% ao ano. Infelizmente, a nossa Democracia tem vindo paulatinamente a esquecer a importância do investimento.

Realizando mais alguns cálculos é ainda possível obter valores aproximados para a FBCF privada e pública. Analisando ambas as séries conclui-se que o investimento privado que no ano de 2000 valia 28% do PIB significa actualmente 14,8%. Por seu turno, o investimento público que significava 4,6% do PIB em 2000, vale hoje somente 1,6%.

Perante esta realidade desanimadora algo tem de ser feito. Em meu entender, Marcelo deve chamar os partidos a Belém e propor-lhes que formulem um pacto de regime nesta matéria. Nesse pacto constaria um conjunto de regras básicas com o objectivo de estimular o investimento. Uma delas poderia ser a de estipular um limite máximo para a taxa de IRC que seria, por exemplo, determinado por um mecanismo de ancoragem: média das taxas de IRC das cinco nações da UE que possuem os valores mais reduzidos. Uma outra regra que faria sentido seria a de tornar obrigatória a atribuição de uma percentagem mínima do Orçamento do Estado ao investimento público. Uma hipótese: 8,5% do total da despesa pública; a média das últimas duas décadas. Para termos noção, em 2016 o valor da FBCF das administrações públicas em percentagem da despesa total foi apenas de 3,5% – o mais baixo de sempre. Não é aceitável.

Com alguma vontade política, certamente que haveria ainda espaço para proceder a alterações no preço da electricidade tornando-o mais competitivo. Como? Reduzindo o IVA, eliminando taxas que constam na factura mas que não respeitam ao Sector Energético e adoptando um tecto máximo razoável para os CIEG, mais conhecidos por “custos políticos”.

Uma coisa é certa: se nada for feito para fomentar o investimento, então tal significará passar uma certidão de óbito à criação de riqueza e consequentemente ao desenvolvimento económico e à criação de emprego em Portugal.

O autor escreve segundo a antiga ortografia.

Ricardo Ferraz, Economista
 00:06
Jornal Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum