Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
22 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 22 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Pelos caminhos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Pelos caminhos

Mensagem por Admin em Seg Abr 17, 2017 10:45 am

Serão múltiplos os níveis de interesse de seguir na ilharga de Miguel Torga nesta viagem pelo retângulo de 89 mil quilómetros quadrados a que podemos chamar pátria ou terra ou apenas país. Desde logo se percebe que não há preocupação científica deste guia de eleição, antes o derramar, umas vezes suave, outras irónico, outras ainda desgostado, com aquilo que vai vendo no seu percurso. Há, isso sim, uma observação que, em vários casos, passa ao lado da lógica e recorre a intuições e a ideias de quem não aceita compromissos nos seus juízos e relatos. Depois, há outra particularidade assinalável: os 67 anos que decorreram sobre a edição original deste volume, que não se aproxima do Torga-poeta (apesar do lapidar poema que serve de porta de entrada à "excursão"), nem fica nos terrenos do Torga-contista. No limite, tendo em conta a itinerância própria de algo que vai do Minho a Sagres, talvez este seja um Torga chegado ao que se vai encontrando nos diários que escreveu e editou ao longo da vida.

Ora, este é um daqueles autores que, salvo momentos de exceção, sempre preferiu a pedra à renda, a fala inteira aos rodriguinhos, o autêntico ao dissimulado. Nesse quadro, não espanta que dê conta, sem pruridos, das suas preferências: "Em Portugal, há duas coisas grandes, pela força e pelo tamanho: Trás-os-Montes e o Alentejo. Trás-os-Montes é o ímpeto, a convulsão; o Alentejo, o fôlego, a extensão do alento. Províncias irmãs pela semelhança de certos traços humanos e telúricos (...)." Chega aqui depois de não mostrar pejo nem temor em chamar "bovino" ao excesso de verde do Minho, a que ressalva a presença de Camilo, ainda assim insuficiente para uma redenção. Do Litoral, deixa cair outra síntese que, no mínimo, nos deixa a pensar: "O litoral português devia formar uma província à parte, esguia, fresca e alegre, só de areia e espuma. Eu, pelo menos, assim o vi sempre, comprida e lavada franja de renda da variegada colcha lusitana. (...) Passada a foz do rio Minho, até à embocadura do Guadiana, é sempre Atlântico e praia aberta. (...) Sempre uma onda a desfazer-se na proa dum barco carregado de homens que esperam uma aberta para largar. E que seja em Viana, Póvoa, Espinho, Mira, Buarcos, Pedrógão, Nazaré, Peniche, Cascais, Sesimbra, Lagos, Olhão ou Tavira, é sempre a mesma mão que semeia a rede sobre o azul ondulado. É certo que de cada popa se vê um Portugal diferente, conforme a latitude: verde e gaiteiro em cima, salino e moliceiro no meio, maneirinho e a rilhar alfarroba ao fundo."

Torga hierarquiza: se Trás-os-Montes - onde nasceu - merece mais de dez páginas, a Estremadura, o Ribatejo e o Algarve são sumariamente "despachados" com quatro páginas para cada. Torga escolhe, sem subterfúgios: a importância que concede ao Porto ("como aqueles nossos velhos solares que, limpo das teias de aranha, fazem corar de vergonha qualquer arranha-céus de cimento construído ao lado, o Porto só precisa de ser espanejado do pó do tempo para competir com qualquer terra que se lhe queira medir") ultrapassa as dúvidas face a Coimbra, onde viveu, e a sua desconfiança face a Lisboa, sede do poder, objeto de centralização e privilégios.

Talvez um quinhão de Portugal fosse mais difícil de assimilar, hoje, por Miguel Torga, face a todos os outros: o Algarve, que não mudou só as espumas de superfície. E fica-se com pena de que esta digressão se não estenda aos Açores, que poderiam ombrear com Trás-os-Montes e com o Alentejo. Mas, quanto a ilhas, o autor fica-se, com estrépito, pelas Berlengas. Já não é mau.´

17 DE ABRIL DE 2017
00:00
João Gobern
Diário de Notícias

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum