Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Outubro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
21 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 21 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

O que pode Lisboa aprender com Berlim

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O que pode Lisboa aprender com Berlim

Mensagem por Admin em Seg Abr 17, 2017 11:20 am

Berlim continua a viver um ecossistema vibrante, suportado em incubadoras de sucesso e em startups que tiveram exits interessantes em valor, com grande visibilidade, ou até IPO sonantes.

No rescaldo da EU Startups Conference, realizada em Berlim a 13 de Abril (na última quinta-feira) e em que participámos, foi-nos dada a oportunidade, em reuniões várias mantidas com diversos agentes, de compreender um pouco melhor as semelhanças e as diferenças entre os dois ecossistemas.

Berlim continua a viver um ecossistema vibrante, suportado em incubadoras de sucesso e em startups que tiveram exits interessantes em valor, com grande visibilidade, ou até IPO sonantes.

Berlim é hoje, destacadamente, a cidade alemã que maior número de startups congrega, deixando para trás, cada vez a maior distância, Munique, Hamburgo e Colónia, num movimento que os próprios alemães consideram que vai secando os demais centros de inovação do país. Isso deve-se, sobretudo, ao sucesso acumulado pela Rocket Internet (sociedade cotada desde 2014), uma realidade dual que congrega uma incubadora focada unicamente em negócios online ou mobile nos setores alimentar, moda, comércio genérico e de produtos para a casa, a que junta aquele que provavelmente é o maior fundo de investimento da Europa em early stage num montante acima de mil milhões de euros. Investimentos significativos, a que corresponderam encaixes muitíssimo relevantes com, por exemplo, o IPO da Zalando em 2014, ou movimentos de consolidação operacional e financeiras como a integração das operações da Delivery Hero com a Foodpanda do final do ano passado, com valorizações implícitas de muitos milhões.

Mercê deste enquadramento, Berlim assume-se no panorama das startups como a cidade que privilegia negócios de e-commerce. É essa a matriz das grandes incubadoras, é essa a apetência das venture capital que atuam no mercado e é o foco de quem procura Berlim para iniciar a sua startup.

Há, naturalmente, diferenças estruturais que enformam os dois mercados, a saber:


  • a dimensão e influência geográfica – a Alemanha representa um mercado potencial de mais de quarenta milhões de pessoas (a que se somam os países germanófilos ou de influência germânica da Europa de leste) o que permite às empresas, querendo, centrar-se desde logo (ou até apenas) naquele mercado; já em Portugal, por ser um mercado substancialmente mais reduzido, as startups devem assumir desde cedo uma vocação universalista, na procura quase imediata de outros mercados de muito maior dimensão;
  • a especialização – conforme referido acima, Berlim afunila o foco para soluções de e-commerce, já em Lisboa essa especialização não está tão vincada, o que nos permite assumir um caráter mais universalista;
  • a capacidade financeira – Berlim goza de um conjunto de venture capitals bastante maduros e capitalizados, muito focados em early stage, o que permite um maior número de investimentos e acelerar muito o desenvolvimento dos produtos; em Lisboa o financiamento às startups continua a ser um processo mais moroso e ainda muito dependente de co-financiamento comunitário, o que atrasa sobremaneira o time to market das startups; curiosamente, ouvimos muitas vezes em Berlim uma queixa relativa a um “round B crunch” que obriga as startups a procurarem investidores internacionais, embora os montantes de uma ronda B em Berlim toquem tradicionalmente os dez milhões de euros e em Lisboa “apenas” cinco milhões de euros;
  • governance dos investimentos – não notámos diferenças significativas a reportar na forma como os contratos de investimento e acordos parassociais se estruturam nos dois ecossistemas, comparando Lisboa muito bem com o que se pratica noutras jurisdições (sem prejuízo das diferenças significativas para a regulação contratual nos EUA, o que deixaremos para outro artigo);
  • exits e give backs – por último, Berlim tem aquilo que Lisboa ainda não teve, (i) exits bem-sucedidos e IPO de startups e (ii) empreendedores que após o exit da sua startup se converteram em venture capitalists.


Em resumo, Lisboa encontra-se num momento e movimento fantásticos tendo conseguido posicionar-se como um centro de referência europeu para startups. Quando comparada com Berlim está, todavia, ainda alguns passos atrás mostrando-se menos madura (mercê de Berlim ter iniciado este movimento há quase quinze anos e Lisboa apenas há cinco), mas sobretudo pela falta de veículos que verticalizem ou articulem de forma mais integrada a incubação e o financiamento early stage. Trabalhemos nesse sentido.

Paulo Bandeira e Francisco Martins Caetano
10:20
ECO - Economia Online

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum