Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

Últimos assuntos
Galeria


Setembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
10 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 10 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Apanhar o comboio

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Apanhar o comboio

Mensagem por Admin em Seg Abr 17, 2017 11:24 am


A oportunidade está a desenhar-se à nossa frente e as ferramentas estão à mão.

Apesar de a retórica de Donald Trump, desde a campanha eleitoral para a presidência dos EUA, desvalorizar questões como o aquecimento global, o fim do petróleo e a necessidade de apostar em energias limpas e sustentáveis, todos os dias vamos tendo sinais de que esse caminho continua a ser seguido e os investimentos a ser feitos. Há uma semana, o presidente da EDP, António Mexia, dizia ao Dinheiro Vivo que a aposta em energias renováveis nos Estados Unidos vai ser o motor de crescimento da elétrica nacional. 

Nesta semana, o presidente do Instituto de Soldadura e Qualidade conta-nos como é a participação do ISQ num projeto de 13 mil milhões de euros para pôr a funcionar um reator de fusão nuclear, um sonho desde os tempos da Guerra Fria que deve entrar em testes em 2025. O reator vai ocupar uma área de 60 campos de futebol e promete produzir a energia do “Sol na terra”: grandes quantidades de eletricidade limpa e sem resíduos radioativos, o que prova que, apesar das retóricas, o paradigma da eletricidade está aí a chegar. 

A participação de Portugal neste projeto, em que o ISQ tem 17 engenheiros em permanência, põe o país no pelotão da frente na fase de investigação. E em fevereiro foi confirmado que Portugal tem uma das maiores reservas de lítio da Europa: considerado o petróleo do futuro, a prospeção em Trás-os-Montes deste metal usado nas baterias de tudo o que é aparelho elétrico, incluindo automóveis, deve estar garantida para um período de mais de dez anos. O que mostra que estamos no sítio certo para a investigação da energia do futuro e temos o metal certo para a podermos explorar. Acresce a isso o investimento feito nos últimos anos nas eólicas e os muitos dias de sol que valorizam a energia solar. Até Angela Merkel defende que Portugal e Espanha devem investir mais nesta última. 

A oportunidade está a desenhar-se à nossa frente e as ferramentas estão à mão. É essencial não perder esta tendência que pode transformar a nossa indústria, os nossos hábitos e a nossa economia. À primeira vista, estamos no caminho certo, mas é também a altura de garantir que apanhamos o comboio e que não nos roubam o lugar. 

Filipe Morais 
15.04.2017 / 07:00
Dinheiro Vivo 

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum