Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  cmtv  cais  

Últimos assuntos
Galeria


Fevereiro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
13 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 13 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Compreender o choque suíço

Ir em baixo

Compreender o choque suíço

Mensagem por Admin em Qua Fev 25, 2015 6:49 pm



Desde o espoletar da crise europeia das dívidas soberanas em 2009, todos questionaram o que aconteceria se um país abandonasse a Zona Euro. Primeiro, o debate focou-se nos países em crise – Grécia, ou talvez Portugal, Espanha, ou Itália. Posteriormente, houve uma discussão algo hipotética sobre o que aconteceria se um dos países com fortes excedentes – digamos, Finlândia ou Alemanha – abandonasse.


Com tudo isto, um consenso emergiu de que a saída de um país poderia – tal como o colapso do Lehman Brothers em 2008 – desencadear uma crise mais ampla. Agora, na Suíça, temos uma demonstração de apenas alguns dos riscos que poderiam surgir caso um país excedentário abandonasse a Zona Euro.
 
Em Setembro de 2011, a Suíça ligou a sua moeda ao euro para impor um limite à rápida valorização do franco suíço, após o início da crise financeira mundial em 2008. O país tornou-se, assim, um membro adjunto temporário da união monetária europeia. Contudo, a 15 de Janeiro, o Banco Nacional da Suíça (SNB) repentina e surpreendentemente cortou a ligação.
 
Obviamente, sair de um união monetária real é muito mais complexo e legalmente problemático, do que acabar temporariamente um acordo de taxa de câmbio; os efeitos de tal decisão seriam muito amplificados. De qualquer modo, a jogada suíça revela pelo menos uma das incertezas que uma saída de pleno direito poderia criar.
 
O SNB não foi forçado a agir por uma corrida especulativa. Nenhuma crise financeira o forçou a actuar e, em teoria, o diretório do SNB poderia ter mantido a taxa de câmbio e comprado activos estrangeiros indefinidamente. Mas amontoavam-se as crísticas internas acerca das enormes reservas em moeda estrangeira. 
 
Em particular, os conservadores suíços não gostavam do risco a que o SNB estava exposto. Temendo que as obrigações soberanas da Zona Euro não fossem seguras, insistiram que o SNB comprasse, por outro lado, reservas de ouro, forçando mesmo a um referendo sobre a matéria. Apesar de fracassada a iniciativa para requerer uma percentagem fixa de reservas de ouro, a perspectiva de um programa de alívio quantitativo de larga escala pelo Banco Central Europeu intensificou a pressão política para acabar com a ligação cambial.
 
Enquanto os economistas têm teorizado eficazmente acerca de ataques financeiros, tem havido pouco estudo sobre quando a pressão política torna-se insuportável e um banco central desiste. O SNB, por exemplo, declarou lealdade à ligação cambial apenas dias antes de a cortar. Como resultado, os mercados irão agora hesitar em acreditar nas declarações dos bancos centrais sobre próximas políticas e a orientação futura (um enorme instrumento após a crise) tornar-se-á muito mais difícil.
 
Há um precedente histórico para a vitória da pressão política e a recente decisão helvética. No final dos anos 1960, o Bundesbank teve de comprar activos em dólares, de modo a travar a valorização do marco alemão e a preservar a integridade da sua taxa de câmbio. A discussão na Alemanha focou-se nos riscos para o balanço do Bundesbank, bem como na pressão inflacionária que surgia da ligação cambial. Alguns conservadores alemães da altura teriam gostado de comprar ouro, mas o Bundesbank prometera à Reserva Federal dos EUA que não poria o dólar sobre pressão negativa ao vender as suas reservas de ouro.
 
Em 1969, a Alemanha revalorizou unilateralmente o marco alemão. Mas não foi suficiente para travar a entrada de moeda estrangeira e o Bundesbank foi obrigado a continuar a intervir. Continuou a cortar a taxa de juro, mas a entrada de capitais persistiu. Em Maio de 1971, o Governo alemão – contra as pretensões do Bundesbank – abandonou completamente a ligação ao dólar e deixou a moeda a flutuar.
 
A política prevaleceu sobre os compromissos do banco central. Em três meses, o colapso destruiu todo o sistema monetário internacional e o presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, acabou com o papel de referência do dólar para o ouro. A credibilidade de todo o sistema de compromissos dos bancos centrais colapsou e a política monetária internacional tornou-se extremamente instável. O marco alemão valorizou e dificultou a vida aos exportadores alemães.
 
Hoje em dia, as ramificações globais de importantes acções dos bancos centrais são muito mais salientes do que em 1971. Quando o Bundesbank agiu unilateralmente, os bancos alemães não foram muito internacionais. Mas agora as finanças são globais, implicando enormes exposições dos balanços a oscilações cambiais.
 
Os maiores bancos suíços autofinanciam-se em francos suíços, já que muitas pessoas em todo o mundo querem a segurança dos activos em francos. Assim, compram activos em todo o mundo, em outras moedas. Quando as taxas de câmbio mudam abruptamente, os bancos enfrentam enormes perdas – uma versão de larga escala da estratégia dos ingénuos proprietários de imóveis húngaros, que emprestavam em francos suíços para financiar as próprias hipotecas.
 
Apesar de o SNB ter avisado várias vezes que a ligação ao euro não era permanente e emboram tenha imposto maiores rácios de capital aos bancos, o fim da ligação face ao euro surgiu como um enorme choque. As acções dos bancos suíços caíram mais rápido que o índice geral suíço.
 
Os riscos criados pela decisão do SNB – tal como foi transmitido em todo os sistema financeiro – têm grandes ramificações. Os efeitos negativos para a economia suíça – através da menor competitividade das suas industrias exportadoras (incluindo o turismo e a medicina) – poderá já estar a demonstrar que abandonar a ligação ao euro não foi uma boa ideia.
 
Mas as consequências não ficarão pela Suíça. Após anos de especulação sobre se a saída de um país pequeno e orçamentalmente fraco como a Grécia poderia prejudicar o euro, os responsáveis terão de lidar com um choque ainda maior decorrente da saída de um país pequeno e orçamentalmente forte, que nem é membro da União Europeia.
 
Markus Brunnermeier é professor de Economia e director do Bendheim Center for Finance na Universidade de Princeton. Harold James é Professor de História e Relações Internacionais em Princeton.
 
Direitos de Autor: Project Syndicate, 2015.
www.project-syndicate.org

Tradução: André Tanque Jesus

25 Fevereiro 2015, 14:01 por Harold James, Markus Brunnermeier
Negócios

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum