Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cmtv  cais  tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Janeiro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
10 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 10 Visitantes :: 1 Motor de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

À beira-mar

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

À beira-mar

Mensagem por Admin em Sab Mar 07, 2015 9:44 pm


Luanda é de longe a cidade da lusofonia mais confusa que conheço, incomparavelmente mais confusa que São Paulo, por exemplo. É o caos materializado no trânsito, nos horários, nos compromissos, nos preços e na simplicidade da maioria das pessoas que pelas suas ruas se arrastam.

Admiro os que largam a sua zona de conforto e se aventuram naquele caos que parece premeditado. Parece porque lhe dá encanto, porque lhe dá alma e personalidade. Não temos tempo para pensar, não temos tempo para relaxar nem executar com rigor qualquer plano que tracemos. É sempre emendado, alterado e ajustado à boa maneira lusófona. Luanda é um jogo de aparências entre o que se tem e o que se mostra que não se tem. No fundo um espelho do que somos e do que nos rodeia. Deixa-nos exaustos e carentes de um momento de silêncio. A escassos 100 quilómetros de Luanda encontramos um paraíso. Cabo Ledo de seu nome, de tons paradisíacos, águas mornas e gentes simples, que com o adensar do fim-de-semana se transforma numa pequena Luanda, com as gentes emprestadas e que trazem consigo o caos da cidade.

Ainda assim, tranquiliza a alma e descansa o corpo da batalha semanal. Podemos pensar e desfrutar do silêncio de um pôr do Sol à beira-mar. Ajuda a recarregar energias e organizar ideias. Foi o que fiz antes de regressar a Lisboa. Descobri o que não sabia, percebi o que não entendia e acima de tudo vi o que queria. À beira-mar as nossas vidas tendem a mudar, como se de uma tradição se tratasse. Trago de lá essa serenidade, o aconchego da areia quente e as conversas alheias que a suave brisa transporta. Trago a clareza de um segredo desvendado e a certeza de um caminho reencontrado.

Escreve ao sábado

Por Filipe Baptista
publicado em 7 Mar 2015 - 08:00
Jornal i

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum