Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cmtv  tvi24  cais  

Últimos assuntos
Galeria


Fevereiro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
14 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 14 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

A inovação chegou ao Alentejo e está para ficar

Ir em baixo

A inovação chegou ao Alentejo e está para ficar

Mensagem por Admin em Sab Jun 13, 2015 12:17 pm


São 36 as ‘spin offs', ‘start ups' e PME tecnológicas que estão a colocar no mapa da inovação o Alentejo.

O responsável é o Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo (PCTA), onde se reúnem estas empresas, que em breve serão 38. Apesar de ainda não ter infra-estruturas definitivas (o edifício central está em construção), o PCTA tem já contribuído para o aumento do pedido de patentes e de registo de marcas da região alentejana. 

"Temos algumas empresas com patentes, mas em maior número pedidos que ainda estamos a aguardar resposta", conta João Carlos Mateus, director geral do PCTA. Os números do INPI também o reflectem, tendo havido, entre o primeiro trimestre de 2014 e o de 2015, um aumento de 333% nos pedidos de invenções feitos por esta região.

Em 2013 e 2014, as empresas que fazem parte do Parque facturaram 77 milhões de euros, tendo 30% do valor sido destinado a exportações.

Todas as empresas do PCTA são tecnológicas, sendo esse o perfil em que o Parque pretende apostar, sendo de destacar as áreas de TIC, energia e agroalimentar.

O universo das empresas do PCTA representam mais de 1.200 pessoas e , até agora, foram constituídos mais de 180 postos de trabalhos directos. "Todos os dias as empresas, que estão numa fase de crescimento, estão a recrutar. O balanço entre as pessoas que vieram para o Alentejo e outras que não saíram do Alentejo é de cerca de 180", explica João Carlos Mateus. Para o número de pessoas que o PCTA já representa contribuíram a GLINTT, com a aposta num parque fotovoltaico de concentração e na gestão de um ‘call center' que representa mais de 600 pessoas e a Capgemini com o seu centro de excelência, destaca o director geral do PCTA. 

O edifício central que vai receber as empresas, na Herdade da Barbarala, perto do centro de Évora, está em construção e prevê-se que esteja concluído em Setembro. Além dos espaços para as empresas se instalarem, terá serviços de apoio e suporte e infra-estruturas partilhadas, sendo um ponto central para a partilha de experiências entre empresas e instituições de ensino e de Investigação e desenvolvimento, promovendo a "transferência de tecnologia", afirma João Carlos Mateus.

A construção do edifícioestá a ser financiada por apoios comunitários (Inalentejo), pelo capital social do PCTA e pelas suas receitas próprias, de forma residual mas crescente. Os accionistas do PCTA são a Universidade de Évora, os politécnicos de Beja, Portalegre e Santarém, a GLINTT, o Novo Banco, a Decsis, a ANJE e a ADRAL. E em breve vai haver um aumento de capital com entrada de novos accionistas.

00:30 h
Irina Marcelino
Económico

_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum