Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

cais  cmtv  tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Fevereiro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
13 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 13 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Angola: Maersk preocupada com crescimento lento do comércio

Ir em baixo

Angola: Maersk preocupada com crescimento lento do comércio

Mensagem por Admin em Qua Abr 02, 2014 9:01 pm




Cláudio Rosa, director da Maersk Line em Angola, lamentou o crescimento ténue do comércio angolano em 2013, ano em que a companhia registou indicadores aquém das expectativas. 

"Estávamos com a esperança de um ano melhor. O comércio com a China continuou a avançar a um ritmo rápido e, no entanto, Portugal, que se manteve sólido, expandiu-se a um ritmo mais lento”, disse Cláudio Rosa.

O controlo de qualidade nas inspecções de bens alimentares no início de 2013 também teve um impacto mais lento no crescimento global. No que diz respeito aos destinos, o crescimento impressionante em Cabinda surgiu como uma surpresa agradável para o grupo, tal como aconteceu com o Lobito.

Cláudio Rosa admitiu que o sector tinha inicialmente previsto um crescimento relevante em 2013 e uma expansão de 13 por cento relativamente a 2012, que foi estimulada pelos projectos de construção do Governo. Para 2014, a expectativa da Maersk Line é a de que o comércio marítimo, através de contentores, aumente uns lentos seis por cento, uma vez que Angola está a passar por uma mudança estrutural e económica decorrente da nova Pauta Aduaneira.

“Apesar disso, permanece um grande ponto de interrogação em torno de um maior desenvolvimento da infra-estrutura”, notou Cláudio Rosa, acrescentando que “para 2014 estamos menos optimistas”, citando como exemplos os carregamentos de cerveja que esperam menores transacções que nos últimos dois anos, pressionados pelo novo imposto aduaneiro.

“As empresas já se abasteceram, enquanto Angola embarca numa longa jornada que vai transformar a sua actual dependência da indústria de petróleo e das importações” notou o responsável. 



01.04.2014

CARGO Edições,Lda © 2014
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum