Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  cmtv  cais  

Últimos assuntos
Galeria


Janeiro 2018
DomSegTerQuaQuiSexSab
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
7 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 7 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

Nacionalizações juntaram as fatias que fizeram a Galp

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Nacionalizações juntaram as fatias que fizeram a Galp

Mensagem por Admin em Qua Abr 23, 2014 10:16 am







Manuel Boullosa é o empresário que no pré-25 de Abril começou a criar o grupo. Ficará como o homem do petróleo em Portugal. E voltou à empresa depois da privatização. 


A génese da Galp, tal como a própria empresa assume no seu site, remonta ao século XIX, quando, em 1846, Lisboa começa a ser iluminada por candeeiros a gás. A evolução de fontes de energia resultou também na criação de várias empresas que só depois do 25 de Abril deram origem a uma grande entidade, a Petrogal.   


A cobiça veio, no entanto, a aprofundar-se no século XX e, como em todos os negócios a partir dos anos 30, tinha famílias poderosas por trás. Este sector dos petróleos criou a coligação entre o empresário de origem galega Manuel Boullosa e Manuel Queiroz Pereira que, segundo conta Filipe S. Fernandes no livro "Fortunas & Negócios", "tinham raciocínios muito semelhantes e nos negócios eram complementares. Enquanto Manuel Boullosa era intuitivo, criativo e audaz na promoção dos negócios, Manuel Queiroz Pereira trazia a cautela e a serenidade". Ambos tinham um acordo: participarem nos negócios conjuntos com as mesmas posições.   


Depois de iniciarem as importações de petróleo de Hamburgo resolveram, em 1933, criar a Sonap (Sociedade Nacional de Petróleo), onde cada um tinha 20% e a Stua Française ficava com 60%. Mas o Estado de Salazar optou por criar concorrência. A Sacor nasceu da ideia de construir em Portugal uma refinaria de petróleo. Em 1938 foi concedido alvará para esse empreendimento, em Cabo Ruivo, à empresa com capitais romenos Redeventza, da família Martin Sain, que se associou ao Instituto Português de Combustíveis. A refinaria teria exclusividade de 10 anos e, segundo contam os autores do livro “Os Donos de Portugal” (Jorge Costa, Luís Fazenda, Cecília Honório, Francisco Louçã e Fernando Rosas), metade do mercado de combustíveis, associando-se ao Banco Espírito Santo.   




Entretanto a Sonap via os seus dois accionistas separarem-se e, em 1963, Manuel Boullosa alia-se à rival Sacor, cruzando participações. Esta aliança garantiu a licença para uma segunda refinaria, desta feita a Norte. E foi nesta altura que a família Mello, detentora da CUF, mostrou interesse em, também ela, entrar no negócio do petróleo. Falhou a refinaria, mas acabou por entrar no início dos anos 70 na Sonap e associar-se a Manuel Boullosa para a construção da refinaria a sul, a Petrosul. Em 1971 foi concedida a este consórcio a exploração do complexo petroquímico de Sines. Projecto adiado pelos acontecimentos dos anos seguintes, que ficaram para a história pela crise do petróleo mundial e, em 1974, em Portugal, pelo 25 de Abril. A refinaria de Sines só começaria a produzir em 1978.


38,34% escreveu:
A Amorim Energia detém 38,34% da Galp. Este accionista é participado por Amorim, Isabel dos Santos e Sonangol.


Alianças que se desfizeram com as nacionalizações de 1975, que puseram nas mãos do Estado a Sacor, a Sonap, a Petrosul e a Cidla (empresa de gás da Sacor). A fusão destas companhias, no ano seguinte, deu origem à Petrogal que em 1977 resolve entrar no negócio de pesquisa e exploração petrolífera. Totalmente detida pelo Estado, avançou no petróleo e no gás. Até que chegou o momento de se privatizar.   


O processo iniciou-se em 1999 com a abertura do capital da Petrogal e Transgás à Petrocontrol, EDP, Caixa Geral de Depósitos, Portgás e Setgás. A Petrocontrol permitiria que a empresa voltasse a accionistas que tinham sido os seus donos antes da nacionalização. O núcleo, que reunia Manuel Boullosa, Grupo Espírito Santo, Banco Totta, Grupo Mello, Américo Amorim, Parfil, Fundação Oriente e Patrick Monteiro de Barros, acabaria por vender a sua posição à Eni que ainda hoje se mantém no capital da sociedade.   


Os últimos anos trouxeram reformulações accionistas à empresa, à qual regressou Américo Amorim, um empresário que é hoje considerado o homem mais rico de Portugal e que soube aproveitar as nacionalizações


Quem manda hoje na Galp escreveu:

A Galp é, hoje, a maior empresa do país, sendo igualmente a principal exportadora. Uma empresa que continua a ser cobiçada, como sempre foi ao longo da sua história. A Galp tem como principais accionistas Américo Amorim, que se associou a interesses angolanos: Isabel dos Santos e Sonangol. Os italianos Eni estão de saída e o Estado continua com uma posição de 7% pela existência de obrigações convertíveis. O capital público sairá quando estes títulos chegarem à sua maturidade.   




A Galp, tal como é hoje, foi constituída em 1999, para explorar o negócio de petróleos e gás natural, agrupando a Petrogal e a Gás de Portugal, de quem, posteriormente, venderia os activos relativos à infra-estrutura de distribuição em alta pressão de gás natural que, em 2006, passou para a REN.




23 Abril 2014, 00:01 por Alexandra Machado | amachado@negocios.pt




Negócios
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16761
Pontos : 49160
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 31
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum