Olhar Sines no Futuro
BEM - VINDOS!!!!
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Conectar-se

Esqueci minha senha

Palavras chave

tvi24  

Últimos assuntos
Galeria


Dezembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Flux RSS


Yahoo! 
MSN 
AOL 
Netvibes 
Bloglines 


Quem está conectado
21 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 21 Visitantes :: 2 Motores de busca

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 864 em Sex Fev 03, 2017 11:03 pm

O microcrédito europeu está a tornar-se enorme

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O microcrédito europeu está a tornar-se enorme

Mensagem por Admin em Seg Abr 04, 2016 5:29 pm



Esta edição é dedicada às microfinanças na Europa num contexto ainda muito dominado pelos sistemas tradicionais de financiamento. Estará o paradigma na Europa a mudar? Como é que as tecnologias têm acompanhado a evolução do microcrédito?

Os conceitos do microcrédito e microfinanças estiveram inicialmente associados à implementação de alternativas nos países subdesenvolvidos. No entanto, trata-se de uma valência cada vez mais comum nos serviços financeiros europeus. Concebemos uma pequena estória para explicar como este sistema funciona.


O percurso de Vítor

Em tempos, Vítor tinha rendimentos e bens que lhe permitiam aceder aos serviços financeiros tradicionais. Mas tudo mudou quando perdeu o emprego. Sem garantias para apresentar no momento de pedir um empréstimo, Vítor virou-se para os organismos de microfinanças, que disponibilizam serviços como o microcrédito até um determinado limite a pessoas com problemas de liquidez.


Foi assim que Vítor conseguiu obter dinheiro para continuar a pagar a renda, para voltar a estudar e para eventuais imprevistos.

Mas as possibilidades não ficaram por aqui: ele teve também acesso a outros serviços como uma conta-poupança, seguros e o envio de remessas. Ou seja, Vítor voltou a dispor de um leque de ofertas que não encontrava na banca tradicional.


A expansão do microcrédito na Roménia

Em 2013, os serviços de microfinanças europeus providenciaram 1,5 mil milhões de euros. O valor médio dos empréstimos foi de 8500 euros. 79% dos créditos foi aplicado no setor empresarial, o resto para fins pessoais. Nos países da Europa de Leste, como a Roménia, esta alternativa foi-se consolidando face às dificuldades na obtenção de um crédito bancário até se tornar num sistema essencial.

A arte de Rudolf Florea é o violoncelo. Este artesão especializou-se na elaboração destes instrumentos, o que exige naturalmente algum investimento nas ferramentas e na madeira utilizadas. Para lançar a sua atividade, Rudolf recorreu ao microcrédito. Obteve dois empréstimos num total de 13700 euros.

“Os outros bancos pediam-nos uma tonelada de papéis. Eu tinha acabado de abrir o ateliê, ainda não tinha efetuado vendas suficientes para comprovar a minha capacidade de reembolsar o empréstimo. Mesmo assim, encontrámos um organismo de microfinanças que nos deu uma oportunidade”, conta-nos.

Em 2013, foram atribuídos microcréditos a cerca de 9 mil empresários romenos, num valor médio de 7 mil euros. Os montantes dos microcréditos na Europa Ocidental costumam ser mais elevados. Mas aqui há mais pessoas a beneficiarem deste sistema. E, no mundo da economia real, isso pode fazer toda a diferença.

Ioan Vlasa, da Fundação FAER, afirma que o impacto “é enorme para as pessoas que beneficiam do sistema, porque isso permite-lhes sobreviver. Esse é o primeiro aspeto: as pessoas têm a oportunidade de ganhar a vida de uma forma correta, podem evoluir tendo à partida muito pouco, podem desenvolver-se profissional e economicamente. E, um dia, podem gerar rentabilidade.”

Mas o conceito de microfinanças não se resume ao crédito. Reza o ditado que em vez de dar o peixe, o melhor é ensinar a pescar. É mais ou menos o princípio de alguns organismos financeiros que proporcionam formações e acompanhamento dos projetos.

Dumitru é produtor de laticínios. Recebeu cinco empréstimos para modernizar a sua quinta. “Fiz formações. Algumas foram mesmo organizadas aqui na aldeia. A instituição financeira a que recorri juntou vários agricultores para receberem formação sobre os mesmos assuntos. Foi uma grande ajuda”, diz-nos.


O fenómeno do crowdlending

Os obstáculos no acesso ao crédito fazem com que cada vez mais particulares e empresas procurem soluções como o financiamento participativo. É um fenómeno que está a mudar a forma como perspetivamos a angariação de verbas e que abre novos caminhos às microfinanças. Basta abrir o computador e fazer uma pesquisa rápida para encontrar uma série de novos modelos de financiamento, como o crowdlending.

Nic tentou pedir um crédito para aumentar a sua peixaria em Londres. Mas o seu banco recusou. Foi então que decidiu embarcar no Funding Circle, uma plataforma virtual de investimento em Pequenas e Médias Empresas. “Eles apresentaram-me uma solução e, no espaço de uma semana ou duas, tinha o dinheiro na minha conta. Os juros são ligeiramente mais altos do que no banco. Mas nem sequer vale a pena estar a falar no banco, porque não nos quis ajudar”, declara.

O sistema estabelece um ponto de encontro onde os potenciais investidores podem identificar empresas que pretendam expandir-se. Segundo Robert Wardrop, do Cambridge Centre for Alternative Finance, “os canais alternativos dão a oportunidade às empresas de encontrar capital. A operabilidade destas novas formas de financiamento é menos dispendiosa do que nos bancos, onde as infraestruturas são as tradicionais.”

Não deixa de haver riscos. A Funding Circle é regulada pelas entidades britânicas e os clientes têm de responder a determinados critérios para pedir verbas que podem ir de 5 mil libras a um milhão. David De Koning, diretor de comunicações, salienta que “as empresas têm de ter, pelo menos, dois anos. Há uma equipa que estuda o processo de crédito e atribui uma nota de risco ao investimento de A a E. Depois afixamos as taxas de juro e colocamos a proposta no mercado. Qualquer investidor – seja um particular, uma instituição ou até o governo britânico – pode decidir emprestar o dinheiro diretamente à empresa.”

A indústria financeira alternativa do Reino Unido é, neste momento, a maior da Europa.

A visão de Pier Luigi Gilibert, diretor executivo do Fundo Europeu de Investimento (EIF)

Maithreyi Seetharaman, euronews: Foram criados dois instrumentos para canalizar montantes para desenvolver as microfinanças: o Instrumento Europeu de Microfinanciamento Progress e o Programa para o Emprego e Inovação Social (EaSI). Ambos geridos pelo Fundo Europeu de Investimento, cujo diretor executivo é Pier Luigi Gilibert. Qual é a situação atual das microfinanças na Europa?

Pier Luigi Gilibert: A crise de 2007/2008 mudou a natureza do mercado. Há muita gente que não conseguia encontrar trabalho nos setores tradicionais e que acabou por criar o seu próprio emprego. Estamos a falar de pessoas que tinham poucas hipóteses de aceder aos canais tradicionais dos financiamentos bancários. A necessidade de uma alternativa surgiu também por uma questão de inclusão social e económica para ajudar desempregados, mulheres empreendedoras ou, hoje em dia, os migrantes, por exemplo. Trata-se, portanto, de uma ferramenta destinada a várias frentes. Nós estimamos que sejam necessários de 5 a 6 mil milhões de euros para responder às necessidades das microfinanças nos 28 Estados-membros.

euronews: É necessária legislação e subsídios para incentivar os Estados-membros a desenvolverem as microfinanças?

PLG: O Fundo Europeu de Investimento e o Banco Europeu de Investimento marcam presença nas áreas onde o setor privado não tem alcance. O que fazemos normalmente é providenciar o capital inicial para desenvolver um determinado setor e depois deixar que o setor privado assuma as rédeas. O processo para atribuir pequenos empréstimos abaixo dos 25 mil euros é dispendioso. Há custos fixos, independentemente da dimensão do empréstimo. Faz sentido para um banco processar um pedido de crédito de um milhão de euros, cujos custos ascendem a 1%. Mas os microcréditos tornam-se muito onerosos. Daí que os bancos tenham reticiências em fazê-los. Por isso é que o apoio do setor público é tão relevante na Europa Ocidental ou na Europa de Leste.

euronews: Qual será o impacto do financiamento participativo no futuro das microfinanças?

PLG: É verdade que existem vários sinais que indicam que estas plataformas de crowdlending – de empréstimos participativos – se vão tornar cada vez mais importantes. São ferramentas que permitem reduzir os custos dos processos, que são um dos grandes obstáculos à autossustentabilidade desta indústria.

euronews: Há o risco de falharmos a integração social se estes serviços só forem virtuais?

PLG: Tem toda a razão! É difícil criar uma indústria de microfinanças autossustentável se não houver o lado do acompanhamento e formação. E isso não é contemplado nestas novas plataformas tecnológicas.

euronews: A experiência neste setor já permite evitar situações de crédito malparado ou outros riscos que os bancos não querem assumir?

PLG: Pessoalmente, não vejo que os incumprimentos sejam um problema agudo nas microfinanças. O grande problema prende-se com os custos dos processos, das diligências a efetuar e da monitorização. Qualquer inovação que surja para reduzir os custos nesta área será bem-vinda.

04/04 12:11 CET   | updated 0-1:57 mn ago
Copyright © euronews 2016


_________________
Cláudio Carneiro


Facebook
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 16760
Pontos : 49157
Reputação : 0
Data de inscrição : 07/12/2013
Idade : 30
Localização : Sines

Ver perfil do usuário http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum